A garota que eu quero ser!

louvor

Quando eu era pequena, eu tinha certeza de tudo que eu queria que acontecesse na minha vida. O plano era estudar para ser uma grande advogada, entrar pra polícia e depois pensar em namoro. Eu queria poder sair sozinha, ser independente, ir à festas, dar festas… na minha imaginação era tudo muito simples, mas aos poucos eu me perdi.

Na adolescência tudo se complicou e o que eu queria já não era certeza, as certezas eram dúvidas, os planos eram obstáculos e a vida era uma bagunça. Cheguei no ponto que contos de fada eram apenas história para criança bobas, e romance era uma fraqueza humana, e isso me tornou mais fraca. Sonhar é a força da vida, é a beleza de estar vivo, e eu havia perdido isso.

Com o passar do tempo, por mais difícil que seja admitir, a fase adulta me espera. E eu não sou ninguém mas sei exatamente quem eu quero ser e quem não quero. Estou cansada de ser a garota indefesa que não pode lutar por seus ideais porque tem dificuldade de se comunicar, porque já passou por muita coisa quando pequena, a garota inteligente mas que nunca tem a chance. Essa eu não quero ser.

Eu quero ser a amiga que tem a palavra certa pra todo momento errado, aquela a quem as amigas recorrem porque o namorado a magoou ou porque quer mudar a cor do cabelo mas não tem certeza. Eu quero ser a filha que é considerada amiga por saber lidar com a mãe, aquela que comenta discretamente com a mãe que a “fulana” não está tão jovem mais, ou que é cumplice na hora de abusar do cartão de crédito.

Eu quero ser aquela irmã que se pode contar pra toda hora, seja pra falar mal da namorada, seja pra desabafar sobre o video game que estragou ou até mesmo pra pedir ajuda no trabalho da escola. Quero ser aquela que sorri o tempo todo, não porque é falsa, mas porque aprendeu que a vida não nos decepciona quando já esperamos os perigos que ela impoe, aquela que tem força pra se levantar depois de cair de um precipicio e ainda dizer “eu sobrevivi”, eu quero ser bela a ponto de poder passar horas no espelho me admirando e ainda ter humildade suficiente de admitir “ela também está bonita”.

Eu quero ser a namorada que joga video game, abraça, faz cafuné e sabe cozinhar, também aquela que se faz de difícil pro parceiro ter o prazer da conquista, aquela que é amante nas horas vagas pra não dar espaço pra “outra” entrar na vida do amado.

Eu quero ser a garota que coloca medo nos valentões e faz os populares derreterem de amor. Aquela criança crescida que ainda assiste desenho animado e sabe morrer de medo em um filme de terror, quero ser aquela que se esconde debaixo dos lençóis e anda de salto toda produzida num passeio ao shopping. Quero dar o meu melhor, quero amar intensamente, fazer aquilo que gosto, não por dinheiro, mas por realização. Quero acreditar no perdão, na paz, na honestidade das pessoas e ver o mundo sempre com os melhores olhos, esperando que as pessoas sejam diferentes e aceitando-as desse jeitinho.

Eu quero ser a garota que corre em direção ao mar, com os cabelos voando contra o vento, com a pele queimando e pensando em absolutamente nada. Assim como eu quero ser aquela que deita na rede e apenas observa os passarinhos voando e cantarolando uma linda melodia. Eu quero sim ser independente, mas dependendo do bem estar do meu próximo. Quero pensar em mim, mas quero pensar naqueles que fazem parte da minha vida. Quero ser mãe de uma linda família, e ainda assim ser uma criança brincalhona que rouba doces antes do jantar.

Além de tudo, eu quero ser amada por todos que me conhecem, e ter o sorriso contagiante de um bebê que se diverte com a água caindo na banheira. E por fim, eu quero ser a garota que pode ir sozinha para o baile, simplesmente porque sabe dançar por si mesma.